Oi gente, tudo bem com vocês?

Como foram as festas? Espero de verdade que vocês possam teraproveitado bem as festas e que 2019 seja tão grande quantovocês merecem!

Para começar os textos da coluna desse ano eu vou contar um pouco mais para vocês daquilo que tenho vivido no meu processo particular e também no meu processo comunitário. E, claro, música, muita música.

O ano de 2018 foi um ano muito pesado para mim, um ano de abandonos e frustrações em algumas áreas da minha vida, mascomo tudo aquilo que é deixado nas mãos de Deus não tem erro, comigo não foi diferente . Durante boa parte do ano eu vivi as incertezas sobre meu estado de vida dentro da comunidade –vida ou aliança – ou até mesmo se eu era pertencente a essaobra, esse carisma!

Não foi muito fácil não, em agosto entrei em oração e discernimento sobre isso e foi revolucionário aquilo que Jesus fez comigo e no meu coração. Em contrapartida, comecei a achar que eu não evoluía nada musicalmente e que inclusive havia regredido na minha vida como músico e como servo. Então, tudo isso entrou nas pautas de oração e, assim foi indo.

Após um período pedi a Jesus que fizesse algo até o nosso retirofinal e dito e feito: tive umas das maiores experiências com Jesus! Certo dia estava no meu quarto orando por tudo isso e enquanto conversava com Ele ouvi uma voz me dizendo: é agora, pode ir, você consegue. Sabia que a minha decisão, não seria fácil, mas o fiz. Tomei a decisão, mudei meu estado de vida para a aliança, uma decisão sustentada por Deus. A mesmade quando eu deixei minha casa, meus pais, toda a minha vida para seguir nessa obra.

Mudei-me para Jandaia do Sul e a palavra que levarei para esseano é Eclesiastes 3. No entanto, não é sobre esperar o tempo, mas sim que o tempo chegou e eu irei colher! Sempre tive um sonho, e já recebi profecias (há uns 5 anos atrás), de ter minhaprodutora, de trabalhar só pra Jesus e conseguir conciliar com as missões. Quando entrei na comunidade eu era sócio em umaprodutora chamada LR Produções, com meu grande amigo Rafael, porém ela não era 100% cristã. Durante um tempo deixeide sonhar isso por conta da realidade em que eu vivia, mas Jesus me prometeu que eu iria colher os frutos de tudo o que plantei. E hoje sendo fiel a tudo o que vivi trabalho em uma produtora, sou um dos produtores, gravo bateria, e faço tudo isso dentro do meu carisma; dentro daquilo que Deus me chamou a ser!

O que quero te dizer com tudo isso é: lembra aquela parada quelá trás não deu certo? Lembra aquele sonho na gaveta? Lembraaquela canção que está guardada na gaveta?

É hora de voltar a sonhar e a sonhar em Deus! Por que aqueleque sonha em Deus já tem seus sonhos realizados!

Eu te desafio a me procurar no Instagram e a me contar um sonho teu que estava na gaveta! Eu quero saber!

Deus abençoe!

Luh