Oi Gente ! ! Como vocês estão? tudo certo ?

Muita correria aqui na missão do Rio esses dias, por isso a ausência, porém acho que serviu de tempo para vocês também lerem todos os posts passados, que andamos publicando por aqui não é ?

Esses dias tenho vivido uma espécie de dúvida de como equilibrar a vida espiritual, com a vida terrena,  vida com a música, vida né ? E isso é bem difícil, sabendo do quão pecadores nós somos e tudo mais.

Hoje, quem vai escrever para nós é o Zé, membro consagrado da comunidade de vida, é baixista e ele vai nos falar sobre a dificuldade de amadurecer em Deus, sem perder a essência de uma criança.


Fala galera, tudo bem? Sou o José Augusto, consagrado de vida e baixista da Colo de Deus.

Tenho 22 anos, natural de Sapopema (nome engraçado né? Kk) que fica no norte do Paraná, atualmente moro na Casa de Missão de Curitiba. Minha experiência com a música começou aos 16 anos em uma igreja protestante na cidade onde eu morava. Já toquei na noite e enfim… hoje estou aqui para falar para vocês sobre algumas coisas que tenho vivido com Deus, em relação ao ministério de música.

Desde quando comecei minha caminhada com Deus, meu ministério tem sido algo fundamental para o meu crescimento, tanto pessoal como espiritual. Desde o começo, Deus havia colocado sonhos em meu coração, mas eu precisava de maturidade para viver esses sonhos, por isso Deus começou a me forjar (aí que o bixo pega!).

Cheguei na comunidade em 2015, já no ministério principal, onde o ritmo de missões era grande, todo final de semana estávamos em algum lugar do Brasil. A comunidade ainda era pequena, com poucos membros, éramos em 18 pessoas na comunidade de vida. A Colo de Deus foi crescendo, as missões crescendo no mesmo ritmo e eu consequentemente crescendo também. Tive oportunidade de tocar em lugares que nunca imaginava, como na Amazônia por exemplo e também em lugares que sonhava em apenas participar como retirante, como na Canção Nova.

Uma grande dificuldade minha eram as podas, devido a minha imaturidade e consequência também da minha criação (pois sou filho único e sempre achei que meus meios eram os certos) e isso refletiu na minha vida, principalmente no meu ministério, era como se eu tivesse perdido o foco. Uma árvore sem podas, cresce desordenada e produz frutos, mas quando sofre podas ela cresce ordenada e seus frutos duplicam.

2017 foi um ano difícil, muitas coisas aconteceram na minha vida, foi difícil por eu não ter me permitido viver as podas necessárias para aquele tempo. O meu foco não era ser um bom músico para o reino, mas em ser bom pra mim mesmo. Nesse tempo Deus me tirou muitas coisas e eu não entendia os porquês de tudo aquilo que estava acontecendo. Em Janeiro de 2018, Ele me mudou de missão, me levou para longe, para o Nordeste mais precisamente (fui pra Arapiraca, lá em Alagoas). A realidade do Nordeste é totalmente diferente daquilo que estava acostumado, íamos para as missões onde nós tínhamos que montar o som (bem diferente do que eu vivia nos grandes eventos. Um beijo caixas Watson! kk), era como se Deus tivesse me levado ao início. Não foi fácil, sofri até entender o que Deus queria nesse tempo. Uma vez nosso ministério foi para uma missão em Caruaru- PE (nunca vi um som tão zuado na minha vida kk), mas tinha algo diferente naquele lugar. O show começou, começamos a tocar e eu me perguntava se aquilo estava sendo bom para as pessoas que estavam participando, então Deus falou comigo: “Meu filho, nessa noite não se importe com o externo, porque eu sou o mais interessado naquilo que você está fazendo”, então não importava som e nem nada, mas a verdade do meu coração. Naquele momento eu me lembrei do sentido do meu ministério. Depois desse dia muita coisa aconteceu e muita coisa mudou, pois eu havia voltado a minha essência, de ser uma criança diante de Deus.

Em resumo: eu entendi que estudar é bom, é importante eu ter um instrumento bom, isso vai me ajudar, eu preciso sempre querer ser melhor, porque Deus merece o meu melhor, mas nada disso tem sentido se Deus não for o centro de tudo. Uma dica para vocês músicos que estão lendo esse texto: Não se prendam a aquilo que existe dentro da igreja hoje (musicalmente falando), sejam curiosos, criativos, sejam compositores, busquem novidades. O artista é por essência criativo, o Espírito Santo é o mais criativo dos criativos, peçam a Ele inspiração.


Viram que o Zé precisou voltar para a essência de uma criança, para poder voltar a enxergar os cuidados de Deus com ele, e isso fez tanto bem a ele que hoje ele é um dos lideres do ministério da Colo de Deus, com apenas 22 anos de idade . Talvez você esteja nesse processo e precisa voltar a ser criança para Jesus poder voltar a te mostrar o SENTIDO. 

Se estiver a vontade ore comigo,

” Eu te pergunto quem é maior,

E eu me pergunto se eu já cresci,

Não quero me esquecer, que sou tua criança 

 

Deus abençoe !

Luh