quem é Você, meu bem?
quem é Você, Jesus?

eu dedilho cordas de um violão.
qual é teu instrumento favorito?
como é o seu quarto?
me falaram que Você me esquadrinha,
deixa eu fazer o mesmo.
me leva na tua cozinha.
tem fogão a lenha?
Você gosta de café?
com ou sem leite?

ouvi há pouco que Você faz sentido.
não, 
falaram que Você é o sentido; 
perdão, eu confundo as coisas,
mas lembro mesmo que um tempo
tinha muito sentido
onde foi que eu esqueci 
o real e constante
faz de novo?
sentido
e mais café.

acordes menores ou maiores?
qual tom Você canta normalmente?
prefere sentar no chão ou no sofá?
chimarrão ou tererê?
céu em cinzas,
rasgando nuvens,
ou o sol queimando o solo?
eu exagero
no que gosto e no que não gosto mais ainda.
adivinha?

amo quando Você chove.
quando é que Você escreve: 
de dia ou à noite?
como faz pra ser de verdade como Você?
acho tão incrível!
tu podia me ensinar a fazer algumas coisas como Você.
tu tem um jeito diferente,
peculiar e poético
de fazer tudo.
eu gosto de prestar atenção 
nas tuas mãos se movimentando;
tuas veias presunçosas
gritando por minha atenção.

rede ou grama?
granizo ou machuca?
rosa e margarida?
girassol e alecrim?

mentira que Tu tem uma máquina de escrever?
me conta!
como é pra Você?
às vezes, quando escrevo, 
acho estranho,
tenho medo de não ser verdadeira;
tenho medo de ser uma farsa de novo.
não sei se você entende,
tuas expressões levam-me a crer que sim.
Você sorri enquanto falo,
parece que se agrada com a minha voz.

pode responder todas as minhas perguntas?
as que evidenciei,
as que Você conhece
e eu não.
responde todas,
por favor!
eu preciso saber,
eu preciso conhecer,
é meu desespero.
deixa eu Te ver
na poesia,
no amor,
na dor,
na verdade,
na solitude
e na companhia.