“É Quaresma, vou emagrecer!”

            Duvido que você nunca pensou em perder uns quilinhos nesse tempo de quaresma!

Antes de começar, deixa eu me apresentar pra vocês! Eu sou a Juliana, tenho 27 anos, noiva do Diego, paulista, Consagrada de Vida da Colo de Deus, formada em Educação Física, dançarina desde que me conheço por gente, ministra de dança por graça de Deus e aprendiz de bailarina há alguns anos. Atualmente eu moro na Casa de Missão em Arapiraca, Alagoas.

Há alguns dias, a Priscilla passou por aqui, se apresentando e dando início à nossa coluna Equilibrium, e por obra de Deus, estamos juntas nessa jornada pra falarmos sobre cuidados com a saúde física e espiritual.

Eu sempre fui ligada nesses assuntos referentes à esporte, dança, alimentação, cuidados com o corpo. Mas eu demorei pra descobrir que tudo isso podia ser usado com sabedoria e equilíbrio, para ajudar diretamente na saúde espiritual.

Afinal, o que a alimentação tem a ver com minha vida com Jesus?

Estão totalmente ligados, vamos entender…

A quaresma chegou, é tempo de oração, jejum e caridade, e não de dieta! Jejum não é dieta, posso ouvir um Amém, Igreja?

A primeira leitura de hoje diz: “voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos” (Joel 2,12). Vamos conversar sobre o jejum?

Jesus, depois de ser batizado no Jordão, passou 40 dias e 40 noites no deserto, rezando e jejuando antes de começar a vida pública! O quarto mandamento da Igreja diz: Jejuar e abster-se de carne, e ainda o Catecismo, que o jejum “Determina os tempos de ascese e penitência que nos preparam para as festas litúrgicas; contribuem para nos fazer adquirir o domínio sobre nossos instintos e a liberdade de coração (CDC, cân. 882). Já entendemos, que como imitadores de Cristo, precisamos jejuar, rezar, esvaziando-nos de nós mesmos, para aumentar nossa intimidade com Ele.

Muito mais do que deixar de comer alguns alimentos por 40 dias, a prática do jejum precisa ser associada à oração e reflexão, para não se tornar uma desculpa para iniciarmos aquela dieta que sempre deixamos pra segunda-feira. Com a abstenção de alguns alimentos e bebidas, unidos à oração, encontramos forças para renunciar aos desejos e impulsos do corpo que nos escravizam, levando aos pecados da carne, como podemos ler em Gl 5, 19-20: “Ora, as obras da carne são estas: fornicação, impureza, libertinagem, idolatria, superstição, inimizades, brigas, ciúmes, ódio, ambição, discórdias, partidos, invejas, bebedeiras, orgias e outras coisas semelhantes”

A escolha da mortificação precisa ser de coisas que gostamos muito, ou seja, que teremos dificuldade em renunciar. Assim, estamos provando pra nossa carne que ela não precisa daquilo para se satisfazer. Lembrando sempre, que o sentido do jejum e da abstinência nunca será passar fome e nem prejudicar a saúde, mas sim (entre outros motivos), controlar os excessos, ordenar os desejos e impulsos, mostrar pro nosso corpo que ele não precisa repetir aquele prato de comida pois o corpo já está bem nutrido. Ou seja, equilíbrio!

Dessa forma, estamos lutando contra o pecado capital da Gula, que é porta de entrada para tantos outros pecados, como a luxúria (sexualidade desregrada). Elas estão intimamente ligadas! Uma pessoa que não consegue controlar seus desejos de comer em excesso, vai conseguir negar o prazer do sexo desregrado e masturbação à sua carne? Com certeza Não!

Funcionou comigo!

Há vários anos, eu passei por sérios problemas com vícios, álcool e sexualidade desregrada. Mas foi num retiro de carnaval que eu retornei ao primeiro amor, e voltei aos braços do Pai. Sendo a quaresma um período de convite à conversão, eu mergulhei no propósito de sair daquela vida. Com a ajuda do meu diretor espiritual, escolhi deixar todos aqueles vícios, me unir em oração, e começar uma vida nova. Deu certo, tô firme até hoje, completando 4 anos de liberdade em Cristo. Foi muito difícil, mas a abstinência principalmente ao álcool, me ajudou a controlar os demais desejos. Repito: foi muito difícil, mas a palavra-chave é DECISÃO. Eu queria sair daquela sujeira do pecado da gula, luxúria, consumismo, vaidade, soberba, e o Espírito Santo era o maior interessado em minha vida e vocação. A união dessas forças gerou conversão!

A cada ano que passa, Jesus me convida à novos propósitos na quaresma: além do jejum do alimento, a também me abster de alguns minutos a mais de sono (sem alimentar a preguiça que é pecado da carne), a deixar de lado algumas redes sociais, dedicando meu tempo às leituras, práticas de obras de misericórdia, a me policiar nas palavras, reclamando menos e elogiando mais, desinstalar algum jogo do celular, não ouvir músicas ou assistir TV, dormir sem travesseiro, comer algum alimento sem sal ou sem açúcar, etc. São muitas opções de jejuns, tanto gastronômicas, corporais e morais. Cabe a nós rezarmos, e pedir ajuda ao Espírito Santo, para que Ele nos indique o caminho de santificação por meio da mortificação.

Vamos juntos iniciar um novo tempo e chutar a cara do cão?

Eu sei que sozinho é bem mais difícil, então que tal contar com a ajuda dos irmãos pra seguir firme nesse propósito? Tá difícil? Peça ajuda e conte com a nossa intercessão!

“Se viverdes segundo a carne, morrereis, mas se pelo Espírito fizerdes morrer as obras do corpo, vivereis” (Rm 8,12).

 

Beeeeijo gente, até a próxima!

Ju