Oi gente, tudo bem com vocês? Estamos de férias das missões, mas não de Deus né? Estamos no final do ano e toda aquela loucura típica dessa época, que eu particularmente gosto muito! Natal e Ano Novo são épocas bem legais! Inclusive, não deixe de ver o nosso single de natal no Youtube hein?!

 

Quero contar para vocês hoje sobre um episódio em que o medo me fez bem! Sempre costumo dizer que o medo só é ruim em uma situação: quando ele nosimpede de tomar decisões. Durante algum tempo fui um cara muito afobado e ansioso (a ponto do meucorpo sofrer com isso). E assim, desenvolvi uma coragem que somente o medo me dava. Chega aser curioso, mas é verdade!

Quando decidi sair do emprego para viver,exclusivamente, dasica mesmo várias contas para pagar foi o medo que me impulsionou. Claro que depois que parei e pensei com calma fiquei desesperado (kkkk), mas me fez bem naquele momento. Diferentemente de quando fui para a comunidade, o medo existia e era muito maior, no entanto tinha certeza de que era plano de Deus.

Nesse período fui ver o tal filme “Aquaman”. E que filme! Um grande amigo meu, o Emerson, escreveu algo sobre esse filme que vale a pena ler e fazer uma analogia com tudo aquilo que vivemos esse ano. Segue abaixo o texto.

________________________________

Aquaman e os medos interiores

Eu assisti Aquaman (confesso). Eu não gosto da DC, tenho pavor, acho bem ruim mesmo. Desde que eles inventaram um universo cinematográfico, só piorou (Gosto de Marvel hehe). Mas, tenho que confessar que pude ver um dos melhores filmes da minha vida: Aquaman. Fantástico!

Ele me levou a refletir do início ao fim.

Um homem que tem um pai que é um humano, comum, e sua mãe que é rainha de Atlântida (a DC mudou um pouco da história, mas isso não alterou o andamento). Arthur (Aquaman), se culpa por sua mãe ter sido supostamente assassinada por Atlântida. Ele cresce com um medo interior de Atlântida, da sua história, dele mesmo.

Conforme o enredo se desenvolve, o machão acha que consegue derrotar todos. Existia uma CORAGEM EXTERNA, mas havia ali um MEDO INTERNO.

A grande reflexão que fiz do filme é sobre os medos interiores. Nos achamos fortes demais, potentes demais, com todas as capacidades do universo. Porém, isso, por muitas vezes, é uma maquiagem para esconder os medos que nos cercam.

Dado momento do filme, uma frase me tocou muito:

“Você está com medo, Arthur?”

“Estou”. Respondeu Arthur.

“Então você está pronto”.

(sem nomes, para não sair spoiler)

O medo pode sim nos paralisar. Mas, ele também pode ser combustível para seguir. Ir com medo talvez seja sinal de amadurecimento. Você não precisa estar pronto, você precisa ir,independentemente da capacidade. Arthur, o Aquaman, entendeu isso. Ele entendeu que o seu chamado não era para ser Rei de Atlântida, mas para servir a todos. O medo pode nos deixar no lugar mais cômodo do mundo ou pode ser combustível par ir.

Lembre-se: Não deixe que os outros joguem na sua cara muitas coisas sobre você. Deixe-se guiar por Aquele que te conhece.

Deus não chama os dispostos. 
Ele chama os disponíveis.

________________________________

Com isso, eu pergunto a você: Como você tem lidado com o medo?

Eu quero saber! Como o medo afeta seu ministério e sua vida? Como o medo paralisa os teus sonhos com a música ? 

Partilha aqui nos comentários.

Abraço,

Luh.