Muitas pessoas sonham em se casar e constituir família. Em meio a esse sonho colecionam, em suas galerias ou aplicativos como o Pinterest, fotos e mais fotos de casamentos, vestidos, decorações e tantas outras coisas que se incluem no universo dos noivos. Esse é um sonho valido, e também muito importante de ser sonhado e amadurecido, o problema da “fase dos sonhos” é quando a pessoa vive no mundo da ilusão e deixa de viver o momento presente, a vida real.

Parece que estar solteiro é algo péssimo: festas de famílias e as belas perguntas sobre os namoradinhos, ou brincadeirinhas de como o tempo passa e você continua sem ninguém, os amigos que começam a namorar e casar e você continua “encalhado”. Ou então, acaba parecendo que ser solteiro é algo maravilhoso e libertador e que ainda pode carregar o slogam de “antes só do que mal acompanhado” e de como minha vida é ótima sem ninguém no meu pé. Duas visões extremistas que podem estar intimamente ligadas com feridas na sexualidade.

Aqueles que tem consciência de que casamento é uma vocação, não se deixaram abalar pelos sentimentos que podem surgir, mas usam desse para reconhecer a realidade divina.

“De viver bem a nossa vocação aqui na terra, depende a nossa felicidade terrena e eterna”

Santa Gianna Beretta Molla

Santa Gianna, esposa, mãe e médica nos ensina que viver bem a nossa vocação traz a felicidade terrena (que não e um mar de rosas, mas um caminho de santidade que também passa pelo sofrimento) e consequentemente a felicidade eterna, onde de fato seremos felizes. Santa Gianna desejava ser missionária aqui no Brasil e em discernimento com o seu diretor espiritual entendeu que não era isso que Deus desejava para o seu caminho, e com alegria, pediu a Deus um esposo, se casou e foi santificada seguindo aquilo que Deus tinha pra ela. Mas o que isso tem a ver com o tempo de solteiro?

Antes de nos casarmos passamos por um tempo de solteiros. E isso é bom, como tudo, se bem vivido. É necessário não olhar para esse tempo com desespero de se casar, mas com alegria de ter tempo para se dedicar exclusivamente a Deus e se preparar para viver bem a próxima etapa.
Quando uma pessoa pula os processos, deixando de viver bem ou simplesmente não vivendo ela também deixa de se preparar para aquilo que ainda virá. Para ser mais clara, quando alguém está solteiro deve aproveitar esse tempo para se dedicar integralmente a Deus, sendo em sua paróquia, comunidade ou movimento, pois aquela é sua única preocupação.

Além do mais, ao longo desse tempo, tem a oportunidade de curar as feridas que possam existir na área afetiva. No mundo que vivemos hoje, muitas pessoas estão feridas na sua sexualidade e afetividade, seja pela falta de estrutura família, relacionamentos passados, situações em que apenas foram machucadas, mas que não tiveram o suporte de serem cuidadas. O tempo de solteiro bem vivido evita muitas frustrações em relacionamentos futuros.

É importante também colocar o coração cada vez mais perto da vontade de Deus, pois assim, quando já não for mais solteiro(a) aquela(e) que encontrar o seu coração também estará buscando viver os sonhos de Deus.