Antes de mais nada, estou muito feliz em poder voltar a escrever no Blog! Já tem um certo tempo que não escrevo nada por aqui, mas não é por falta de interesse, e sim por conta das correrias que aumentaram.
Meu último texto tem 7 meses (meu Deus, quanto tempo!). E o último texto que postei, fala justamente de amor maduro. E mais uma vez eu experimentei o amor maduro de Deus.

A principal mudança nesse período todo, foi justamente a de ser um produtor musical, acreditando cada vez mais no que Deus tem colocado no meu coração como músico e agora como produtor musical.

Eu acredito que o maior desafio de um produtor é ‘’retirar’’ o melhor que existe dentro de cada artista. Se for um guitarrista, é retirar o melhor detalhe de cada nota, se for um cantor, a melhor dinâmica enquanto ele faz a nota. Claro, dizendo superficialmente, mas quando falamos especialmente da arte que vem para o Reino, tudo isso muda.

Entram complexos, ansiedades, medos, a alma e o coração de cada pessoa.
Sempre disse no Blog que só falaria de experiências minhas, pois é somente o que eu posso dominar, justamente por ter saído de dentro do meu coração.

O projeto 188 foi, de fato, o maior desafio dos últimos dias. Não pela música, não pela falta de tempo de produzir, e sim por apenas um motivo: Como vou produzir algo que eu não vivo (já que não tenho crises de ansiedade e nem depressão)? A Colo de Deus só existe porque pregamos aquilo que vivemos. A música que eu toco é a minha oração, e não somente uma música.

Partindo deste princípio, acabei fazendo uma oração bem ‘’perigosa’’ talvez! Pedi a Jesus que pudesse me dar uma pequena porção daquilo que as pessoas vivem durante todo esse processo. Pedi um pouco de ansiedade, um pouco do sentimento de abandono, um pouco do sentimento da depressão, enfim… Um pouco de tudo.

Mas, você deve estar se perguntando, era necessário? E eu posso afirmar a você com todas as letras, sim! Quando se tem um alma “em jogo”, quando existe uma pessoa que precisa ouvir a voz de Deus de uma forma diferente, tudo é válido!

Tive insônia durante 4 dias consecutivos. Colocava a cabeça na cama, e não existia sono! Precisava descansar e não conseguia descansar! Tive medo de não ser aceito o trabalho, medo de não dar conta, tive uma crise existencial durante a gravação da música da Gaby, e me fiz a seguinte pergunta:

E se no final, ninguém escutar? Mesmo sabendo que o foco principal era atrair as pessoas para quem de fato importa, minha mente chegou até mesmo a ‘’travar’’ a criatividade que o Espírito Santo estava derramando sobre a minha vida.

Quando o Heitor me trouxe a ideia da música do Gustavo ser gravada 100% ao vivo, me veio a insegurança de: e se não ficar bom? Travei de novo (tive coisas que não tenho, e sempre uso o medo a meu favor). Até que escutei a música do Gustavo, e na canção diz “se estou frágil, então estou forte”. Lembro de ter fechado os olhos enquanto escutava a música e vi o sorriso de Jesus, mas quando olhei Suas vestes, elas tinham muito sangue, Seu corpo era cheio de luz, mas existia sangue, muito sangue.

A primeira música gravada foi “Filho de Deus”, porém foi a última a ser terminada. Estava no estúdio, no dia 07 de Setembro, terminando a mixagem do disco. Então entendi o motivo dela ter sido a primeira a gravar e a última a terminar.

“Sou vencedor, pois sou filho de Deus”. Essa frase ficou cravada no meu peito. Fechei a porta do estúdio, apaguei a luz e coloquei o disco para tocar. Quando cheguei nessa música, vi Jesus de novo, da mesma forma como disse um pouco acima, cheio de sangue, mas com muita luz. Então Ele me disse: “Filho, és meu!”, e eu entendi que o sangue era justamente para que pudesse olhar e lembrar da promessa que Ele me fez, e me lembrar que foi por mim e também por você.

Se você está lendo isso e ainda não ouviu nosso álbum, por favor, ouça!

Obrigado por me deixar contar isso para você.
Deus te abençoe!