ESPIRITUALIDADE DO CASAL MATRIMÔNIO

“O MEU AMOR NÃO ENGANA NINGUÉM”

Essa passagem foi retirada do Diário de Santa Faustina (nº 29), mais precisamente, de um diálogo entre ela e Jesus, apenas um dos vários fenômenos e aparições que ela teve a graça de presenciar em vida. Nesse diálogo, ela diz a Jesus que estava em dúvida se ‘Ele era ou não uma ilusão ou fruto de sua própria imaginação. “O meu amor não engana ninguém.”, essas foram as palavras de Jesus.

No último texto postado nessa coluna do blog, falávamos sobre vocação, sobre os vários chamados que Deus pode sucitar em nossos corações para gerar, em nós, crescimento e bons frutos. Eu acredito que, quando nos encontramos com um Carisma, o nosso coração não deixa de nos avisar. Em algumas pessoas, ele bate mais forte e parece que vai sair pela boca, outros sentem uma paz inexplicável. Deus, em sua misericórdia infinita, vai guiando os que são próximos d’Ele e dando indícios de onde ‘Ele nos quer e planejou.

A questão é que, nessa caminhada vocacional, vão surgindo dúvidas, angústias e medos. Ao dizer aquela frase à Santa Faustina, Jesus pediu que ela confiasse, não uma confiança cega, pois ‘Ele próprio nos fez racionais, mas uma confiança que ultrapassa o nosso limitado entendimento das coisas. Jesus sabia que, por mais que ela quisesse estar dentro da vontande de Deus, ela possuía, em sua mente, um caminho pronto e planejado para alcançar a salvação.

Nós, muitas vezes, agimos de forma semelhante, traçamos um caminho em nossa mente e pensamos: “Se eu fizer tal coisa…”; “Se eu ler tal livro…”; “Se eu viver assim…”; etc. É como se Jesus, em poucas palavras, dissesse à Santa Faustina algo do tipo: “O seu pensamento é bom, e você tem boas intenções no coração, mas o caminho que Eu planejei para você é ainda melhor e maior do que todas as suas possíveis expectativas.” Se, diante de dois possíveis caminhos, seguimos para a direita, deixamos para trás o caminho da esquerda. É isso que significa seguir uma vocação, dar um passo de confiança e deixar coisas para trás, afinal, para cada escolha, decisão e opção que fazemos, é necessário deixar alguma outra coisa para trás. Para tomar uma decisão importante como essa, é preciso se preparar, estar de coração aberto e, acima de tudo, confiar em Deus.

Quando encontramos uma comunidade, ordem, etc. com o qual nos identificamos exteriormente, somos interiormente preenchidos por uma paz. É como se você estivesse se sentindo em casa mesmo nunca tendo visitado aquele lugar antes. A vontade é de não ir embora, porque parece que você nasceu pra estar ali e que tudo o que você viveu antes foi para te preparar pra esse momento. Se isso acontecer, aproxime-se desse carisma, reze, observe, descubra tudo sobre ele e, assim, Deus vai encaixando, ao poucos, todas as peças dentro do seu coração.

A vocação é um Dom de Deus. Antes, porém, de qualquer outro chamado, todos nós compartilhamos de uma vocação universal que é: Ser Santo como o nosso Pai celestial é Santo. Mas, sabemos que algumas pessoas possuem um chamado específico, que chamamos de vocação carismática. Essas pessoas carregam dentro de si um presente que precisa ser aberto o quanto antes, esse grande presente é um carisma.
Somente quando nos encontramos com o nosso carisma, as coisas começam a fazer sentido, os nossos olhos se abrem e a nossa história começa a ter sentido. É a partir daí que começamos a compreender realmente que o que Jesus disse à Santa Faustina é verdade, e que o Amor d’Ele não engana.

Espero que esse texto tenha ajudado você de alguma maneira, seja no discernimento vocacional ou no seu relacionamento com Deus. Que Deus te abençoe e ajude nesta sua caminhada.

Leia tbm:

  • Iolanda Rocha

    “tio” Alex, o Sr. me ajuda muito. Ler suas postagens é como continuar as partilhas da missão no Cotolengo. Deus o abençoe!

    • Alex Tonon

      Amém 😁

Scroll Up