EDUCAÇÃO DOS FILHOS ESPIRITUALIDADE DO CASAL MATERNIDADE MATRIMÔNIO PATERNIDADE

A CHEGADA DO PRIMEIRO FILHO

Naturalmente, quando o bebê nasce, toda a nossa atenção vai para ele. Trocas de fraldas, amamentação, banhos, noites em claro e tantas outras situações que as mamães e papais de primeira viagem passam e faz com que toda a atenção deles se voltem para o bebê. São tantas mudanças na rotina e cansaço físico que muitas vezes acabamos esquecendo o nosso cônjuge. E é sobre isso que vamos falar hoje!

Claro que para o pai a chegada do bebê é um marco muito importante e especial, muitos homens relatam a mudança na maneira de viver e pensar, e até nos sentimentos a partir do momento que enxergam aquela nova vida, frágil e totalmente dependente deles. Mas com a mãe esse processo se inicia um pouco mais cedo. Desde o primeiro sintoma de gravidez tudo muda. TUDO mesmo! Muitas mulheres têm muitos enjoos, passam muito mal, não conseguem sair de casa. Outras precisam ficar de repouso para o bem do nascituro. Às vezes, parte da rotina deve ser deixada de lado. Começam as adaptações do tempo e da própria disposição. Mais tarde, a barriga começa a crescer e até mesmo as vontades mudam.

Lembro-me de um dia em que eu fui ao médico e na volta passei em frente a uma feira e me deparei com uma goiaba. Achei ela linda, atraente… UAU que goiaba! Mas logo eu estranhei pensar aquilo, porque eu não sou fã de goiaba. Na verdade eu não gosto, só comeria por mortificação da vontade. Não acho o gosto horrível, só não gosto mesmo. Mas naquele momento eu senti vontade e isso foi estranho pra mim. Eu tive muitas variações de humor, mudança de gostos. Quantos hormônios!

Com o nascimento, tudo fica mais intenso. E é nesse momento que precisamos, em meio às dificuldades e adaptações, conversar com o nosso companheiro. Expor os sentimentos, usar também das dificuldades para nos aproximarmos. O diálogo é uma ferramenta essencial para qualquer relacionamento e um grande suporte para as mudanças. É através dele que nos aproximamos e podemos mostrar ao outro o que pensamento e sentimos. Muitas mulheres passam por um período de depressão no pós-parto. Em momentos como esses tais mulheres precisam de muito amor, compreensão e o diálogo pode proporcionar essa ajuda tão necessária.

Quando as coisas começam a “normalizar” é o momento para que os cônjuges possam organizar a nova vida, de uma maneira agradável, criando a sua rotina e separando nela um tempo para os próprios cuidados. Lembro que no pós-parto do Miguel eu ia tomar banho super tarde. Fiquei em crise por “feder” leite, me sentia suja e muitas vezes chorei por causa disso. Graças a Deus e ao auxílio do Alex, que foi muito compreensivo e me ajudou a entender que era apenas um período, pude entender que logo tudo ficaria bem.

Conforme as primeiras semanas se passaram e o próprio Miguel começou a ter os seus horários (mais ou menos estabelecidos), eu pude começar a me organizar. Tomar banho mais cedo, voltar a fazer as unhas, arrumar os cabelos e também me dedicar um pouco mais ao Alex.

Mesmo em meio a todas as dificuldades que passamos com a chegada de um bebê é importante lembrar-se do nosso próprio cuidado e também do cuidado com o outro. O bebê vem para unir ainda mais o casal e não para afastá-lo. Por mais realizada que eu possa estar ao me tornar mãe, antes disso sou esposa e o meu esposo também necessita de cuidados e atenção. O casal cresce muito assim, um cuidando do outro e os dois cuidando do bebê.

Um beijo pra vocês que estão lendo o nosso blog. Não se esqueçam de curtir, comentar e também compartilhar. Que Deus abençoe a vida e a família de cada um!

Leia tbm:

Scroll Up